Novas do Gil
Pesquisa

45 ANOS DO 25 DE ABRIL
Por Carla Manuela Mendes (Professora), em 2019/04/1524 leram | 0 comentários | 4 gostam
Esta é a madrugada que eu esperava
   O dia inicial inteiro e limpo
   Onde emergimos da noite e do silêncio
   E livres habitamos a substância do tempo”

   In, O Nome das Coisas. 1977 – Sophia de Mello Breyner Andresen
De facto, “há muitos anos, no tempo em que o teu pai andava na escola, num país muito distante vivia um povo infeliz e solitário, vergado sob o peso de uma misteriosa tristeza.
 (…)
Esse país agora já não se chama País das Pessoas Tristes, chama-se Portugal e é o teu país. E o tesouro pertence a ti, és tu que agora tens que cuidar dele. (…)
Porque esta história não é uma história inventada. É uma história verdadeira, aconteceu mesmo. Pergunta os teus pais ou aos teus professores e eles contar-te-ão mais coisas sobre o País da Pessoas Tristes e sobre o Dia da Liberdade.

Este curto excerto extraído da história de Manuel António Pina, intitulada “O Tesouro”,conta um pouco dessa história do 25 de Abril de 1974, ocorrida há 45 anos, e merece ser lida; ou recontada pelos teus familiares que provavelmente a vivenciaram.

De facto, vais compreender que o 25 de Abril abriu muitas portas do país que estavam fechadas, como a da descolonização, da democracia e do desenvolvimento, que eram os três“D”e objetivos da Revolução de Abril. O poema“As portas que Abril abriu”, do poeta Ary dos Santos é certamente uma das leituras recomendadas para te aperceberes das portas abertas.
 Mas vais também compreender que muitos outros “D, e muitas outras portas estão apenas entreabertas: a da Desigualdade, a do Desemprego, a da Descentralização, a da “Descorrupção”, entre outras.

Quanto ao programa comemorativo do 25 de Abril de 2019,em Guimarães, este é vasto e variado e congrega várias associações e parcerias, tendo-se já iniciado a 1 de abril com a exposição“Liberdade é encontro de gerações”, que se prolonga até 5 de maio.
Porém, as exposições regressam ainda entre 14 de abril e 3 de maio, com a mostra “25 de Abril em cartazes”, patente no Arquivo Municipal Alfredo Pimenta, local onde decorrerá também a conferência “Cartazes 25 de Abril: entre o registo plástico e a síntese gráfica”, a 5 de abril, pelas 18 horas. De igual modo, entre 16 e 30 de abril apresenta-se a exposição “Literatura de Resistência” – Palavras Amordaçadas” na Biblioteca Municipal Raul Brandão e, neste mesmo espaço, a 18 de abril (14,45 horas) decorre a iniciativa “Recordar o 25 de Abril” que terá com atividades fundamentais a leitura de poemas e elaboração de cartaz alusivo.
A tónica da descentralização está também presente na programação. Assim, a 19 de abril (21,30 horas), decorre no Salão Paroquial de S. Jorge de Selho a iniciativa “Trans/missões – Visões úteis”
Todavia, entre 24 e 25 de abril, programam-se as atividades mais salientes. De facto, a 24, na Biblioteca Municipal Raul Brandão tem lugar a Hora do Conto (10,45 horas), centrado no escritor Alexandre Honrado e no conto “25 de Abril – o Abril que nos fez, enquanto à noite (22 horas) realizar-se-á no grande auditório do Centro Cultural Vila Flor (CCVF) o concerto “Sons de Abril.
Como é óbvio, o dia 25 de abril concentra o cerne das atividades, a saber:
- 11 horas – Sessão Solene da Assembleia Municipal na Black Box da Plataforma das Artes e Criatividade;
- 11 horas – Concerto pela Banda Musical das Caldas das Taipas , no coreto do Jardim Público;
- 15/16,30 horas- Espetáculo Liberdade, na Casa da Memória de Guimarães;
- 16 horas – Concerto “Traz outro amigo também” no coreto do Jardim Público;
- 17,30 horas – Inauguração da exposição evocativa sobre Virgínia Moura, na Sociedade Martins Sarmento;
- 21,30 horas – Cinema e Censura, uma tertúlia com Manuel Mozos e Margarida Sousa, da Cinemateca Portuguesa, no pequeno auditório do CCVF
- 21,30 horas – Concerto “Por terras do Zeca”, iniciativa comemorativa do nascimento de Zeca Afonso e lançamento da obra “Zeca Afonso –Inédito”, a ocorrer no grande auditório do CCVF.

No entanto, o programa comemorativo estende-se ainda até 1 de maio. Assim, a 27 de abril (sábado), vários eventos se programam:
- 15,30 horas – Sarau de Poesia “Vozes e Sons de Abril, nos Paços dos Duques de Bragança;
- 17 horas – Inauguração da exposição de fotografia “A Cerimónia do Adeus” (funeral de Estado de Mário Soares visto pelos fotógrafos), nos claustros da Câmara Municipal de Guimarães;
- 17,30 horas – Conversa e pintura mural sobre “Os Jovens e a Censura: novos desafios das liberdades individuais”, no Gabinete da Juventude, na Rua da Rainha;
- 21,30 horas - Cantar Abril, com Emídio Rodrigues, na Casa do Povo de Briteiros, iniciativa integrada no projeto Excentricidade.

Entretanto, a 28 de abril, no âmbito dos “Domingos em Casa”, a Casa da Memória de Guimarães apresentará às 11 horas uma Oficina para a Família, alusiva à temática da liberdade, enquanto no dia seguinte (21,30 horas) o CAR abordará “A importância da Rádio nos dias de hoje – e afinal: Video Killed the radio stars”.
Por seu turno, o programa prossegue a 30 de abril (22 horas) no Largo da Oliveira, com o evento “Grândolas de todo o Mundo”, a cargo dos North Camels Large Ensemble e termina a 1 de maio com mais duas iniciativas: às 11 horas, no CAR, com o tema“Como vivemos a liberdade de expressão nos dias de hoje, o que nos trouxe a internet”; e às 17,30 horas com o debate “Liberdades e Censuras” na Sociedade Martins Sarmento.

Um programa comemorativo que se estende por um mês, entre abril e maio, com diversas atividades e iniciativas colaborativas.
25 de Abril Sempre …

Texto
de
Álvaro Nunes


Comentários

Escreva o seu Comentário