Novas do Gil
Pesquisa

VÊM AÍ AS AULAS
Por António Lourenço (Professor), em 2018/09/1916 leram | 0 comentários | 2 gostam
A partir deste mês de setembro, 18 mil alunos voltam novamente a andar a toques de campainha ou toque de alvorada. A toque-toque, ou a toque de caixa, todos certamente acusarão o toque do regresso ao trabalho…
Porém será também uma oportunidade de dar uns toques em várias matérias (ou na bola), num ano letivo que traz algumas inovações, ainda que não propriamente no calendário escolar, que mantém a lógica tradicional:
1º. período – entre 12 e 17 de setembro e 14 de dezembro e consequente pausa natalícia;
2º. período – entre 3 de janeiro e 5 de abril, com pausas no Carnaval (4 a 6 de março) e na
                         Páscoa;
3º. período - entre 23 de abril e 5 de junho (9º. ano), ou 14 de junho (2º. e 3º. ciclos) ou ainda
21 de junho (pré-escolar e 1º. ciclo).

E, claro, prosseguem as Provas de Aferição e Exames Nacionais, nos anos, datas e disciplinas, a saber:
2º. ano:
- Expressões Artísticas e Expressões Físico-Motoras – 2 a 10 de maio;
- Educação Física – 20 a 29 de maio;
- Português e Estudo do Meio – 12 de junho;
- Matemática e Estudo do Meio – 19 de junho.
5º. ano:
- Matemática e Ciências Naturais – 8 de junho;
- História e Geografia de Portugal – 12 de junho.
8º. ano:
- Português – 6 de junho;
- História e Geografia – 12 de junho.
9º. ano:
- Português – 21 de junho (1ª. fase) e/ou 19 de julho (2º. fase);
- Matemática - 27 de junho (1ª. fase) e/ou 22 de julho (2ª. fase).

Quanto a novidades, algumas também se verificam. De facto, há uma diminuição de dois alunos por turma, nos anos iniciais de ciclo (1º., 5º. e 7º. anos) e os manuais escolares gratuitos passam também a abranger o 2º. ciclo, assumindo a Câmara Municipal o custo e a oferta dos Cadernos de Atividades no 1º. ciclo.
Aliás, a nível do 1º. ciclo, regista-se também o fecho das escolas: Pulo, em Aldão, Alto, em Lordelo e Outeirinho, em Moreira de Cónegos. Em contrapartida algumas escolas vão receber obras de recuperação e benfeitorias, sendo requalificadas profundamente as escolas de Fafião, em Briteiros e Casais, em Brito. Por seu turno, recebem obras de beneficiação as escolas de Texugueiras, em Silvares, Carreiro, em Lordelo, Bela Vista, em S. Lourenço de Selho e Igreja, em S. Salvador de Briteiros. Igualmente iniciar-se-á a obra da Biblioteca da Escola João de Meira.
Por outro lado, estará também controlada a situação de encerramento dos colégios de Riba d’Ave, uma vez que apenas Moreira de Cónegos aumenta uma turma do 5º. ano, com estudantes de Guardizela.
Entretanto vai ser implementada a componente de apoio à família do 1º. ciclo em 29 escolas concelhias, sob a responsabilidade camarária, continuando em curso as atividades como o xadrez nas escolas, o projeto de robótica, filosofia para crianças e os projetos musicais no pré-escolar, mas também iniciativas que contemplarão programas específicos como o “Pegadas”, no âmbito do desenvolvimento sustentável e o denominado projeto “(Re)conhecer Guimarães”, orientado para o 1º. e 2º. ciclos, que passa sobretudo pelo apoio às escolas em matéria de visitas de estudo concelhias.
De facto, uma disciplina de Estudos Locais, que foque o património material e imaterial vimaranense, no âmbito da componente curricular de oferta complementar, seria absolutamente crucial neste concelho.
Outrossim e segundo declarações da vereadora à imprensa, avança ainda um plano que contempla um novo suplemento alimentar para os alunos do 1º. ciclo e “estamos a promover um novo concurso de cantinas de forma a responsabilizar a empresa vencedora a apresentar uma alimentação de qualidade e mais saudável”. Diga-se a este propósito que a tutela distribuiu recentemente o documento “Orientações sobre Ementas e Refeitórios Escolares” que faculta diretrizes sobre critérios a respeitar no fornecimento de refeições escolares.

Outra inovação de monta tem a ver com a generalização da autonomia e flexibilidade curricular (ainda que facultativa) a todas as escolas nacionais, no âmbito dos anos iniciais de ciclo (Decreto-lei nº. 55/2018 de 6 de julho). De facto, com este (novo) diploma legal são estabelecidos (novos) currículos do ensino básico e secundário, bem como os princípios orientadores da sua conceção, operacionalização e avaliação das aprendizagens, situação que vai exigir trabalho acrescido e adaptações obrigatórias por parte das escolas.
Efetivamente e decorrente desta (nova) visão da escola e consequente (e novo) “Perfil dos Alunos à saída da Escolaridade Obrigatória”, que altera os princípios, valores e competências-chave dos alunos em matéria de conhecimentos, capacidades e atitudes, bem como do documento complementar referente às “Aprendizagens Essenciais”, forçosamente ocorrerão implicações práticas (diferentes) no processo de ensino-aprendizagem, pelo que se perspetiva um ano letivo difícil e trabalhoso, numa altura em que a motivação docente não será a mais profícua.
Realmente, o novo modelo de flexibilidade curricular permite, por exemplo, que as escolas passem a gerir 25% da carga horária semanal dos seus alunos e que se avance com novas disciplinas de oferta complementar para enriquecimento do currículo, bem como com a implementação da componente de Cidadania e Desenvolvimento.
De igual modo, é (ainda) possível a fusão de disciplinas em áreas disciplinares em que os professores trabalham em equipa na preparação das aulas, que podem ser dadas à vez por cada um ou em conjunto. Ademais, é ainda possível optar-se pela alternância entre tempos de estudos tradicionais e semanas em que toda a escola trabalha em conjunto um tema, numa perspetiva multidisciplinar.
Com efeito e segundo os princípios orientadores do citado diploma legal, pretende-se a valorização da gestão interdisciplinar e articulada do currículo, bem como do trabalho colaborativo e a assunção da importância da natureza transdisciplinar das aprendizagens.




Deste modo, preconizam-se diferentes formas de organização do trabalho escolar, designadamente através da constituição de equipas educativas, incentivando-se o fomento de competências de pesquisa, avaliação e reflexão e mobilização crítica dos alunos, privilegiando-se o trabalho de projeto.

As novidades estendem-se ainda ao ensino profissional com a criação de dois novos cursos: Geriatria na Secundária Francisco de Holanda e Modelação e Calçado na Cisave.

BOM ANO LETIVO …

Texto escrito por
Álvaro Nunes


Comentários

Escreva o seu Comentário